Viva La Vida

As diversas fases de um novo ciclo,os diversos ciclos de uma nova vida

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

     Os dias vão passando rápido demais, e eu tentando,ainda,  compreender tudo isso. O que tenho vivido é algo surreal,como se num simples apertar de controle remoto eu pudesse desligar essa história.  Me sinto ainda muito triste, inconformada com tanta mudança, mas firme, forte, vivendo de altos e baixos., com dias em que me derramo em lágrimas e outros em alegria. Minha alegria minha segurança,vem da força de DEUS, que eu peço todos os dias, noites e horas,para que segure em minha mao e que me guie, minha tristeza vem da decepçao, da admiraçao que se foi e do amor transformado,em nem sei mais o que.     

     Decepcionante, é quando percebermos que estamos convivendo com um estranho, decepcionante é perceber que aquilo que planejei para uma vida, foi tratado com tanto desprezo. Decepcionante,é ver o homem que vc casou nao se esforçar para superar as dificuldades, decepcionante é aquele homem que vc conviveu por anos se transformar de uma hora para outra numa pessoa covarde,vaidosa,egocentrica e egoísta.  Decepcionante é ver que aquele projeto célula mater de uma sociedade,chamada: Família, foi tratado com tão pouco zelo,pouco cuidado,pouco amor, em troca de uma paixão...
 Inacreditável é uma família ruir sem que houvesse desgaste,por falta de cuidado...

Quem ama cuida, logo se não cuidou é porque verdadeiramente,entendo que não amou!

O que eu mais quero,é que isso acabe, para que neste curto aviso prévio eu possa cumprir com dignidade minha saída deste ambiente em que tenho compartilhado com o pai da minha filha.

Não estou mais suportando!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Atualmente,vivo uma dualidade:  ausência total e explosão total de sentimentos.

Não sei se é bom ou ruim, teoricamente haveria de existir o equilíbrio,porém na prática  a mágoa e a felicidade se conflitam. 

Talvez,seja impossível  a quem ler compreender,mas só este corpo que guarda uma alma,chamada Lorena, é capaz de  ENTENDER...

E entendendo fica um pouco mais fácil o direcionamento do querer e do não querer. Ou seja,sei o que quero e sei o que não quero.

A explosão total de sentimentos me impulsiona  a caminhar, me faz enxergar que para fazer acontecer preciso somente o querer...


segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Sei do tamanho de minhas imperfeições, porém reconheço também a dimensão de  minhas qualidades.

E eu, infelizmente ou felizmente vivo com intensidade, com entrega total. Não consigo ser diferente. Me entrego ao amor, me entrego a felicidade, me entrego a dor e também a tristeza. Tudo que sinto é compartilhado junto aqueles que comigo estão. É meu,essa sou eu, sensível e transparente. Não consigo ser diferente do que sou, não consigo mentir,disfarçar emoções e nem esconder sentimentos. São meus, nasceram comigo e  se são bons compartilho,se são ruins compartilho também, ser assim não maltrata ninguém e não fere o coração alheio. 

Quem me conhece percebe,como posso disfarçar momentos ruins? Se estou sempre sorrindo, nunca disfarcei meu sorriso e minha felicidade,como poderia disfarçar minha tristeza,meu desgosto,minha decepção,minha dor?

Como poderia disfarçar meus desejos e minhas vontades se elas são partes integrantes dos meus dias?

Assim como diz o texto, quanto mais vazia mais barulho ela faz , é uma grande lição a refletir, mas o que seria esse vazio? e este silêncio?  Seria o egoísmo, a covardia, a vaidade, a indiferença. Que tanto barulhenta seria essa carroça? Somos uma carroça! e o que carregamos nela para que a faça cheia ou vazia e cheia, seria do que?

Quanto barulhentos somos para que fiquemos vazios? Somos vazios, de atitude de coragem,de amor, e somos cheios de orgulhos de vaidades e cheio de silêncio destruidores de qualquer convivencia pacífica.

O silêncio é ouro,mas é também um grande punhal. Ele é egoísta, chega de mansinho se faz de ingênuo e corrói nossa alma, nossos anseios, nosso amor. Porque junto dele,está o orgulho e a vaidade. 

E então, eu sou uma carroça barulhenta, mas de sentimentos e emoções que carrego nela. 

Hoje, vivo com o silêncio do meu marido, do saber ou não saber conduzir uma situação,do querer ou nao querer, dos inúmeros pensamentos que me passam, por pensar por dois, por tentar entender os dois, por nao conseguir,definitivamente entender isso tudo.

Tudo parece simples, mas quanto mais pacífica e amorosa nossa relação fica, mais difícil de entender tudo isso. E aí vem os inúmeros por quês? Porque? Se realmente eu me separar, será por amor, pois ainda amo aquele que escolhi para viver ao meu lado. E se sou barulhenta é que momentos bons eu compartilhei e momentos maus não consigo disfarçar...

Poderia me isolar, chorar,me deprimir,gritar me revoltar...Mas escolher o caminho oposto não significa   nao ter  momentos de tristeza,tenho e muito!!e vivo os piores momentos da minha vida, mas feliz agradecendo a DEUS, a saúde, o lar, os amigos, as oportunidades de servir, a disposição e a minha fé. Não vivo de concessões, do que é certo ou errado, certo pra mim é fazer o bem,não magoar as pessoas, não humilhar, não me omitir diante situações em que posso fazer a diferença. Estou vivendo com um silêncio destruidor, que está consumindo meus dias e que poderá nos levar a fazer aquilo que possivelmente não queremos. É muito difícil...

Minha mãe me liga preocupada, e a pergunta é sempre a mesma: Vc tá bem? - eu to, estou ótima!!!
-Ah tá se vc tá falando,entao tá né? se quer falar assim...

Mas o que eu deveria falar, como deveria agir? Gritar,chorar faria melhor a quem me escuta?

Gente,diante tudo isso,me considero ótima,com iisposição, com projetos, com saúde, com vontade de continuar,casada com meu marido que eu amo muito, é eu amo sim. Quero poder acreditar que isso vai passar, que aprenderemos a conviver com o que passou e acreditar na vontade de cada um com o que realmente queremos. Mas se não for assim,estamos todos com vida e saúde ,tenho minha maior bençao que é a verdadeira razao de viver, alegre e feliz que á a nossa filha! Nossa relaçao nunca ,mas nunca caminhou para isso e está sendo um grande desafio saber conviver com isso tudo!!Fazer o que,como fazer?:(





domingo, 4 de setembro de 2011

Aprendi que na vida temos dois caminhos, que isso tem a ver com nosso livre arbítrio, e  também, que definitivamente não existe meio termo:  

O bem e o mal, e não existe mais ou menos .

Eu, escolhi o bem. Escolhi a calma, o equilíbrio, o entendimento. Percebi,com o passar do tempo,que prefiro ter uma grande decepção a ser a grande causadora dela. Descobri,que não sei viver com remorsos, que com remorsos eu sofro muito mais do que qdo sou atingida por algum mal, vindo de alguém. Então no balanço geral,o resultado é positivo para mim. Pois escolhi,simplesmente,o caminho do bem.


Vantagens na convivência comigo,é a passividade que costumo viver e o  dom do meu esquecimento. Esqueço com muita facilidade as coisas, inclusive, aquelas que  me machucaram. No entanto tenho vivido momentos em que por vezes sou atingida por um sensação no meio do peito,como um buraco sendo remexido, me traz  dor, angústia, uma certa tristeza. Talvez seja um reflexo do que está no meu subconsciente, pois por mais que eu esteja levando toda minha situação para um caminho mais brando,as feridas impressas na alma deixaram marcas profundas. Quero mesmo é conseguir vencer a barreira do tempo  com muita dignidade e rasgar definitivamente está página da minha vida, escrever outras histórias, buscando no que o universo me mostra, as forças para continuar minha estrada!

Rogo a DEUS o amparo para que eu continue tranquila e em  PAZ
Rogo a DEUS a sabedoria necessária para fazer dos meus dias e daqueles que comigo estão,
mais lindos e felizes.
Rogo a DEUS, meu próprio esquecimento,para que não haja espaço para mágoas e tristezas.

Que eu consiga buscar sempre motivações, para cumprir com dignidade a barreira do tempo.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Suspicious Mind - Elvis Presley





We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby
Why can't you see
What you're doing to me
When you don't believe a word I say
We can't go on together
With suspicious minds (suspicious minds)
And we can't build our dreams
On suspicious minds
So, if an old friend I know
Drops by to say hello
Would I still see suspicion in your eyes
Here we go again
Asking where I've been
You can't see these tears are real
I'm crying (these crying)
We can't go on together
With suspicious minds (suspicious minds)
And we can't build our dreams
On suspicious minds
Oh, let our love survive
Or dry the tears from your eyes
Let's don't let a good thing die
When honey, you know
I've never lied to you
Yeah, yeah
We can't go on together
With suspicious minds (suspicious minds)
And we can't build our dreams
On suspicious minds
We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby
Don't you know
Why can't you see
What you're doing to me
When you don't believe a word I say
Don't you know
We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby
Don't you know
We're caught in a trap
I can't walk out
Because I love you too much baby
Composição: Mark James
traduzida por Elvis Rose
TRADUÇÃO: http://letras.terra.com.br/elvis-presley/31505/traducao-print.html

domingo, 28 de agosto de 2011

Vamos tentando amenizar a dor dos acontecimentos, buscando forças para compreender tudo isso. Buscando em projeções futuras o ânimo de continuar trabalhando dentro do meu templo,com a mesma disposição que sempre tive. Não tenho como negar a tristeza, se o  fizesse estaria enganando a mim mesmo, mas tb não nego minha vontade de caminhar adiante,com novos projetos. Continuo,tentando compreender tudo isso sem respostas,que ainda me parecem muito distante. Mas estamos firme,crendo que o melhor virá. Não me dói a perda,porque nesse mundo,nada pertence a ninguém, me dói a falta de zelo, de cuidado e de vigilância.

sábado, 27 de agosto de 2011

Essa sou eu: Livre,Leve e Feliz!!!





Os amigos,devem estar confusos com o que está acontecendo. Vcs compreenderão. Sempre fui muito franca comigo mesma,com minha família e meus amigos e assim fica simples de perceber toda nossa sinceridade e profundidade como vivemos nossas vidas. Somos felizes, mas somos, porque escolhemos se felizes, independente do que o outro tem a nos oferecer. Na vida a única certeza é a morte, então pertence a nós cultivar a nossa própria felicidade,e não a depositando em ombros alheios. Nossas conquistas são nossas  e de mais ninguém, porém, cabe ressaltar que existem conquistas boas e ruins.


Construímos um projeto de vida, ganhamos uma família, crescemos, compartilhamos bons e maus momentos, aprendemos a nos adaptar as circunstâncias diversas, a climas diversos, ganhamos amigos eternos  e sempre neste tempo todo, de união sincera e amável, nutrimos com os melhores ingredientes nossa relação. Somos pessoas que nos amamos, que queremos o bem um do outro, e o bem para este momento em que estamos vivendo é o rompimento do matrimônio e não da relação. Não podemos, com o erro cometido,fazer valer um peso maior em tao pouco tempo, do que  foi nossa construção. Erros acontecem  e todos estamos sujeitos a isso, somos falíveis e portando passíveis de cometê-los. Cabe a nós compreender tudo isso e escolher o caminho do bem e da paz. Felizmente temos prismas de visão diferenciados, poderíamos escolher o caminho da depressão, do isolamento,da vergonha, da tristeza, do desentendimento, da insegurança etc...Mas somos aquele então casal,que todos conhecem e que vivia sua plena felicidade, que todos conhecem e que continuarão conhecendo,e o nosso caminho é esse: da PAZ. Compreendo,que DEUS não nos sobrecarrega com um peso maior do que somos capazes de suportar, compreendo para esse momento de maturidade que alcançamos em nossas vidas, seja o melhor, repito o que ja disse, insistir em algo que não está dando certo,é encontrar com a infelicidade, com o desrespeito,com a raiva, revolta...E aí eu pergunto: PRECISAMOS DISSO?
Nutro carinho e respeito por quem escolhi como companheiro, fiz planos de envelhecer, mas não sabia que no meio da estrada pudesse acontecer isso. Amo-o e o quero ver feliz, mas me quero feliz também!!!!Deixo aqui uma mensagem de Paulo de Tarso:


I Corintios 13-1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.



2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.



3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.



4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,



5 não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; 6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;



7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.



8 O amor jamais acaba; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;



9 porque, em parte conhecemos, e em parte profetizamos; 10 mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.



11 Quando eu era menino, pensava como menino; mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.


12 Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei plenamente, como também sou plenamente conhecido.



13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança, o amor, estes três; mas o maior destes é o amor.


sexta-feira, 5 de agosto de 2011














Hoje,quero escrever sobre meu ontem. Devido as quedas na conexão com a internet,não consegui fazer nada por completo no computador,uma vez que  somos dependentes,quase 100% deste veículo.
Tenho dois lugares que me entrego,quase por completo, Um é o carro, o outro o banheiro. Por completo seria minha cama...

Bem...no banheiro limpo meu corpo e minha mente , além de exercitar minha voz,adoro cantar!  Mas isso é papo pra depois.

Ontem, ao ir ao dentista pela manha,fui pensando nas coisas que estão acontecendo comigo. Dentro do carro,acontece a verdadeira auto análise. Vou conversando comigo,ao som de uma música agradável, e obtendo as respostas vindas sempre de forma a me emocionar.

E nesse breve caminho,que se estendeu em quase uma hora,devido a um congestionamento, me perguntava se o que tenho em mente, se o que estou determinada em fazer está correto, me questionava se eu não estaria me confundindo,ou me precipitando, me questionava,em lágrimas, se realmente estava certa, se não estaria interpretando tudo que venho sentindo,todo meu sentimento de forma errada... Beeeemmm, crendo ou não, eu vos digo: Parei no semáforo atrás de um carro com a seguinte frase: 

“DEUS ESTÁ NO COMANDO”

Sorri,e agradeci...

Bom dia!!!!!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Tenho uma paixão especial por borboletas. Não sei quando e nem aonde começou, mas de fato estão presente,sempre de alguma forma, na minha vida. A grande admiraçao que tenho,é pelo poder de transformaçao por qual as borboletas passam. Talvez,possa eu,me comparar a esse serzinho tão f'rágil,tão indefeso e tão inofensivo, que possui uma enorme capacidade de tranformaçao e que ao mesmo tempo provoca medo em tantos outros seres,mais precisamente....humanos.

Hoje,me sinto um pouco borboleta, fazendo juz a um apelido carinhosamente adotado por uma amiga, que se refere a mim sempre como a D. borboleta.


Talvez eu seja realmente uma borboleta,disfaçada de gente, com a mesma capacidade de transformaçao, sem temer as mudanças e voando alegre, polinizando todos meus caminhos e me alegrando com cada nova vivência. Na certeza que as metamorfoses que se passam conosco,são sempre para o nosso bem maior.

Em cada cantinho que passei, adotei  um hábito estranho de plantar maracujás, nessa jornada de mudanças regionais plantava um pé de maracujá e sem pretensao alguma, la estava meu pezinho,crescendo me dando flores frutos, sucos e sombras,muitas sombras,que me aliviavam o calor. Ao mesmo tempo,admirava a presença dos bichinhos que ali voavam aterrisavam e sem querer polinizavam as flores, fazendo o cruzamento dos gametas, sendo responsáveis,por meio dessa ação,por lindos frutos. Esses mesmos bichinho que me fascinam causam medo em muitas pessoas, que por conseguinte causam dores, destemperos,desequilibrios e doenças...



Plantei um pezinho de maracujá na minha nova casa,a diferença é que ele nao passou de um metro em um ano, cresceu ao lado de uma palmeira imperial,tao grande,tao alta tao robusta. Este pezinho não dará flores,frutos,sombras. Mas tem um principal papel que talvez nao seja de  fácil compreensão para muitos, por muito temerem na vida. Meu pezinho tem diariamente suas folhas renovadas, porque tem uma grande missão de alimentar as lagartas,que um dia serão as borboleta do meu jardim.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Existem situaçoes em nossas vidas, que não basta saber que existem é preciso vivenciá-las.  Se não nos permitirmos isso, deixaremos para tras, longas e eternas oportunidades de evoluir, moralmente e espiritualmente.

Cada dia me sinto mais feliz com tudo que DEUS me permite vivenciar e com tudo que me dotou na vida: Com a família que nasci, com amigos que reencontrei, com as partidas que  vivi, e as chegadas que sempre me desafiaram. Tão grata sou pelo meu esquecimento fácil, pela minha comprempreensao, pelo meus braços que são úteis e que com amor podem  abraçar e acolher.

Feliz pelas vivencias e a oportunidade do servir, abraçando um irmão por alguns minutoss, e sentir que aqueles poucos minutos para nós, tem um profundo e eterno significado para ele. Levar uma balinha caída ao chão para aquele irmão preso a uma cadeira,movendo esforços para alcançá-la,e por milímetros não conseguir.

Feliz pela sinceridade do sorriso e de cada  gesto ali compartilhado.


Feliz por servir com paz na alma e amor no coraçao.

sábado, 28 de maio de 2011

   E cá estou eu...plenificada diante as adversidades que nos surpreende. Mas o que seríamos, se não tivessemos a todo instante desafios para superação de nós mesmos? Seríamos como a folha virgem: pura, casta e vazia.

QUANDO APRENDEMOS A LIDAR COMO NOSSOS VALORES, A VIDA SE PLENIFICA.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Bem...

Se cuidamos do nosso lado espiritual,e que nos mantém 100% equilibrada diante as adversidades da vida, nada demais reservar um tempinho também para viver a materialidade.

Estava precisando ativar alguns neurotransmissores  e resolvi:

  1. Ir ao dentista, sim, quele moreno lindo, simpático e baixinho...
  2. Comprar uma sandália lindíssima
  3. contratar um fsioterapeuta que e dará aulas de pilates, 2x por semana
  4. Adquirir umas roupinhas coloridas e um macaçao preto,lindíssimo, sexy.
 E para o dia das mãe de presente, me dêem lingeries, por favor, de preferência vermelha rendada.


Minha cor do momento E: VERMELHA

quarta-feira, 4 de maio de 2011

É Paixão Ou Amor?


Autor: Thiago de Almeida

Há muito pouco tempo os cientistas associaram a feniletilamina (um dos mais simples neurotransmissores conhecidos) com a paixão, pois a mesma já havia sido identificada há aproximadamente um século. Esta é uma molécula natural semelhante a anfetamina e suspeita-se que sua produção no cérebro possa ser desencadeada por eventos tão simples nas situações de flerte (trocas de olhares, por exemplo) e nos momentos de toque e carícias com outro ser humano.
Normalmente o cérebro de uma pessoa apaixonada contém grandes quantidades de feniletilamina, e esta substância pode responder, em grande parte, pelas sensações e modificações fisiológicas que experimentamos quando estamos apaixonados em uma contínua estimulação. Dessa maneira, no início do relacionamento, e aqui me refiro a paixão, há sensação que emerge é a de um perfeito bem-estar. O casal sente necessidade de permanecer junto grande parte do tempo, senão, todo tempo, afinal, precisam ficar juntos para se conhecerem, amarem-se. Nesse período, pouco importa a personalidade de cada um, caem as defesas, o raciocínio temporariamente suprimido para muitas análises no que se refere ao outro se torna oblíquo e viesado, hiperdimensionando suas qualidades e subestimando suas falhas. A sensação pode ser de amor à primeira vista. Um outro dado interessante é que a feniletilamina existe em altos níveis no chocolate, o que fez com que alguns cientistas procurassem dar explicações racionais para esclarecer o porquê as pessoas compram chocolates para suas amadas.
As associações primevas entre a feniletilamina com a paixão tiveram início com uma teoria proposta pelos médicos Donald F. Klein e Michael Lebowitz, do Instituto Psiquiátrico Estadual de Nova Iorque. Há outros neurotransmissores que podem estar envolvidos nos estados relacionados à paixão e seus efeitos. A Dra. Donatella Marazziti, psiquiatra da Universidade de Pisa, acredita que pessoas os apaixonados estejam num quadro semelhante a um Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC). Inegavelmente, a paixão e o Transtorno obsessivo-compulsivo compartilham diversos aspectos comuns. E isto não é meramente uma teoria sem fundamentos: "ambos estados associam-se a baixos níveis cerebrais de serotonina, uma substância química fabricada pelo corpo que nos ajuda a lidar com situações estressantes". Uma segunda descoberta do trabalho da Dra. Marazziti e não menos importante merece ser mencionada: bebidas alcoólicas também diminuem os níveis de serotonina no cérebro, por exemplo, fornecendo a ilusão de que a pessoa do outro lado da danceteria de onde você se encontra é o grande amor da sua vida. Logo, cuidado com as noitadas e os excessos no consumo de álcool, pois, você pode dormir com o príncipe, ou ainda, com a princesa dos contos de fada e acabar acordando com o cavalo, ou ainda, com a própria bruxa.
A antropóloga da Universidade Rutgers e autora do livro “Anatomia do amor”, Helen Fisher, demonstrou que os sintomas provocados pela paixão, como a euforia, a falta de sono, ou ainda, de apetite estão associados a altos níveis de dopamina e norepinefrina, estimulantes naturais do cérebro.
Outros estudos apontam que os seres humanos são biologicamente programados para se sentir apaixonados entre 18 a 30 meses. Em um levantamento que contou com a ajuda de cinco mil pessoas de 37 culturas diferentes, foi descoberto que a paixão possui um "tempo de vida", tempo longo o suficiente para que o casal se conheça, copule e reproduza. Depois disso, este sentimento evolui para emoções mais brandas, ou ainda, cada componente da díade tem a opção de migrar para um outro relacionamento recomeçando todo o ciclo. Dessa forma, compete ao casal continuar ou não no relacionamento, promovendo-o a um novo estágio, como novos investimentos e novos graus de compromissos. Em caso de permanecerem unidos e voltados um para o outro, se habituarão a manifestações mais brandas de afetividade como o companheirismo e a tolerância. É isso o que concebemos enquanto amor, ao menos, do ponto de vista fisiológico.
Dificilmente, a paixão resiste a mais de dois anos. Pode-se dizer, então, que geralmente estar com o(a) mesmo(a) parceiro(a) por mais de dois anos seja um forte indício do é amor presente cimentando a relação. Tanto a dopamina quanto a feniletilamina estão relacionadas com as endorfinas. E endorfinas viciam. E como todo vício, produz síndrome de abstinência quando somos privados. Todo o sofrimento pelo qual passamos quando levamos um fora do objeto de nossa paixão nada mais é do que síndrome de abstinência.
Entretanto, apesar de todas as pesquisas e descobertas, ainda paira uma sensação de que a evolução, por algum motivo, deu-se no sentido de que surgisse o amor não-associado à procriação, quem advoga esta teoria, fundamentada em muitas de suas pesquisas é a antropóloga Helen Fisher. Calcula-se que isso deva ter acontecido há aproximadamente 10.000 anos e que tenhamos herdado este legado amoroso. Dessa forma, os homens passaram realmente a amar as mulheres, não como mera reprodutoras, e algumas destas passaram a olhar os homens como algo mais além de provedores para o sustente de si mesmas e de suas proles.
Até que se prove o contrário o amor é um aspecto inerente da espécie humana; talvez os animais também sejam capazes de amar, ou pelo menos de se apaixonarem, antropomorficamente falando, mas, não possuam meios para verbalizarem seus afetos. E desde o nascimento, um hormônio secretado pela hipófise e que nas mulheres também estará relacionado à estimulação da lactação e o desencadeamento das contrações uterinas é aquele relacionado com as primeiras formas de apego do ser humano, entre os novos seres viventes e seus cuidadores. Ao longo do tempo estes, transferirão tais vínculos para outros parceiros nos quais investirão seu amor. Assim, novamente reiniciraá todo o processo de produção para novas quantidades do peptídeo oxitocina que regerá, não mais o apego parental, mas, o novo investimento entre parceiros que decididamente permanecerão juntos com laços estáveis de companheirismo. Este hormônio sensivelmente diminuirá os efeitos do estresse do ambiente e também estará relacionado a uma melhoria do sistema imune e conseqüentemente a uma melhor qualidade de vida nos seres humanos que se beneficiarão diretamente e indiretamente do vínculo constituído.
Aparentemente, contrastando-se paixão ao amor, à primeira vista, parece que a paixão leva muitas vantagens devido aos seus arroubos românticos e porque geralmente relacionados o amor aos exemplos cotidianos que conhecemos e que relacionamos a divórcios, separações, infidelidades, dentre outras inúmeras situações. Mas, não nos enganemos. A despeito desses exemplos, eles não se constituem uma amostra representativa da realidade, muitos estudos afirmam que casais que permanecem juntos (por exemplo, em casamentos) estão aparentemente protegidos contra eventos adversos da vida, ou ainda, situações como doença, pobreza, ou a perda de familiares. Acontecimentos esses que provavelmente uma pessoa apaixonada, dada a efemeridade da paixão, provavelmente preferirá não permanecer para dar suporte de qualquer natureza. Neste sentido, os parceiros que se amam acabam atuando como uma equipe em sinergia para o bem em comum. Dessa forma, segundo alguns autores relacionamentos de longo prazo atuam como um recurso social e psicológico que ajudaria as pessoas a resistirem melhor às possíveis perdas e às adversidades.
http://www.artigonal.com/psicoterapia-artigos/e-paixao-ou-amor-444405.html

Perfil do Autor

Autoria: Thiago de Almeida Psicólogo (CRP: 06/75185). Mestre pelo Departamento de Psicologia Experimental do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo e doutorando do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. SIte:  www.thiagodealmeida.com.br Seu consultório, em São Paulo, fica situado à Avenida Pedroso de Morais, n. 141. Cep: 05419-000 Pinheiros-SP Tel (11) 3812-5717 (atendimento de quintas e sextas-feiras, com hora marcada). Seu novo consultório, na cidade de São Carlos, fica situado à rua Dom Pedro II, n. 2066 (atendimentos às quartas-feiras, com hora marcada) fone (16) 3374-7534 ou (16) 3376-1129.
   
Sempre fui de pensar muito, diz, que pensar é uma característica forte de DDA, e sempre antes de passar aqui,minha cabeça estava nesse processo de muito pensar, nao pensando no que escrever,mas sim em como organizar tudo aquilo que passava pela minha cabeça. Então, este era o motivo de iniciar minhas postagens com a frase: eu fico pensando...

Agora nao mais me dou a esse prazer, porque atualmente tenho pensado muito,mas nao como organizar pensamentos, mas sim em uma alternativa que me ajude a eliminar os pensamentos que atualmente fazem parte de mim...

São pensamentos que causam dor e não mais prazer.

Então a melhor alternativa é escrever, nao com os pensamentos mas com o coraçao, soltando minhas emoçoes e administrando tudo que hoje me aparece,como uma grande novidade.

A alguns dias me considerei em formaçao na universidade da vida, provas apareceram que me fizeram colocar em prática tudo que nesses últimos cinco anos venho estudando: O perdão, a resignaçao, a tolerâcia, a indulgência, a compreensão, o equilíbrio e sabedoria para bem utilizar tudo isso. Muitos mais aprendizados vieram,e muitos ainda estão por vir, terei ainda muitos mestrados, doutorados, pós e mba para continuar me qualificando, e que venham vidas, pois ainda terei muito a aprender...

Vantagens desta grande universidade são muitas e eternas, uma bem simples é que, envolto a tantos conflitos conjugais, consigo me manter equilibrada, branda, serena, segura, decidida e firme,não caindo em depressões, nao me enfiando em consultórios de psicologia para  saber lidar com os próprios conflitos, nao discutindo relaçao...

É claro,que não temos remédios para a dor da decepção, não temos remédios para parar de pensar, não temos remédios para cessar nossa imaginação, nao existe fórmula mágica para ajudar o outro a se restrururar,a ser sincero, a ser humilde enfim...

Nós, somos nós por nós mesmos, nao devendo depositar felicidade em ombros alheios e nem carregar o peso dos desajustes da vida do companheiro. Para isso existe a cumpllicidade, o amor,o carinho, o respeito...para isso existe um na vida do outro, para que possam se ajudar e a superar todos esses desatinos. Mas para que isso ocorra,é necessário a sinceridade e a grande vontade de cessar...Qdo isso nao acontece, aguardamos passivamente as respostas para este choque térmico que a relaçao sofreu, com surpresas e talvez até com planejamentos inconcientes...possa encontrar um limiar.

E aí eu fico pensando...

Onde procurar a confiança perdida?
 como?
E a quem deve essa tarefa?


Até quando?

Como diz Ermance Dufaux: 

"Consciência tranqüila e prazer de viver, a maior conquista das pessoas livres e felizes"

A você que passa aqui, deixo um conselho...


  • NÃO DESCUIDES DE AMAR...

Fiquem com DEUS




terça-feira, 3 de maio de 2011

Surgi, com a vida e com o direito e o dever de ser feliz, ser feliz, é uma estado inerente a nossa alma, está presente  em cada um de nós. Uns com oportunidades de expressar a felicidade facilmente, outros ainda tentando encontrá-la, e de tão perto que estão, procurando distante de si. serão  capazes de nunca descobri-la.

Antes de me casar, primeiramente nasci. E nasci com essa funçao: de ser feliz...
Assim, sem dúvidas no meu caminho, fiz pessoas felizes, fiz pessoas sorrirem, fiz pessoas chorarem também...Hoje compreendo que se nao cuidarmos, de quem amamos, perderemos, como a agua em estado líquido que passou rapidamente ao gasoso, nao percebemos a mudança tão presente e quando demos conta,se foi. Não se brinca com amor, como se ele tivesse prazo de validade...o amor é eterno...e verdadeiramente ama, aquele capaz de suportar as intempéries do coraçao,aqueles que conseguem resistir a qualquer tentaçao...Nao existe alma gemea, mas existe sim a pessoa em que escolhemos por uma série de motivos para viver conosco, contruir, descobrir, criar, conquistar,crescer...e principalmente compreender, mas como entender para onde foi todo esse sentimento de sustentaçao que é o amor, o afeto, e o  carinho?Como compreender a presença ausente? como buscar forças para ajudar aquele que vive de incertezas, reticencias e dúvidas...

Mas assim somos, como a água que passou rapidamente de um estado para o outro ... nao mais conseguiremos agarra-la de  volta, porque  a água ao se transformar, cumpriu seu destino e se entregou a nova condiçao,sem olhar para tras, sem se revoltar, sem julgar, sem criticar...

Assim também sou eu, e lembrando que, antes de me casar eu renasci, e com uma programaçao importantíssima que é a de SER FELIZ. . .

Disso não abro mão!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Nao planejo meu futuro,  ele na verdade existe em meu presente e em cada átimo...Não sabemos ao certo o dia seguinte,por isso vivo intensamente cada um deles, aprendendo, servindo, amando, encarando as batalhas que se formam dentro de nós. Nos transformando em vulcoes em erupçao e que após se manifestar retornam em sua condiçao inicial mas deixando marcas ao seu redor.

Tenho sempre meu pensamento reto, elevado a DEUS, mesmo qdo sou tomada de raiva, procuro me livrar para nao perder minha razão...principalmente em viver.

Acredito sempre que todas as mudanças em nossas vidas sao para melhores, precisamos apenas ter maturidade para discernir o certo e o errado, separar devidamente as coisas. Ter a percepçao para que nao haja inversoes de valores, e julgarmos o outro de forma erronea...Afinal o que é errado?o que é certo?Quem somos nós para decidirmos isso? Nao somos nada nem ninguem, somos apenas pessoas em experiencias diferenciadaas nessa terra, com oportunidade de seguir diferentes caminhos, tanto bom quanto o ruim...o que é certo pra mim, poderá nao ser para vc e vice versa.

Bem...

depois falo mais...

Não consigo expressar tamana dor que sinto no meu peito...

Tudo que quero, é um amor eterno, uma casinha , um chao batido e continuar feliz...amando,servindo e tentando compreender as intempéries da vida!!!
Tantas são as surpresas da vida...que eu já nao me surpeendo com nada...

terça-feira, 26 de abril de 2011

Eu fico pensando...


Que tristeza, é a gente insistir em nosso  comportamento,mesmo quando ele não é  bom e nos faz mal, atingindo inclusive os que estão próximo de nós.

Insistindo no pensamento de que: Sempre fui assim, serei sempre assim, sempre fiz assim...não vou mudar.

Triste, muito triste, porque agindo assim estamos vivendo dentro do calabouço de nós mesmos.

Minha avó está com 93 e dentro desta perspectiva  de vida, se eu pensasse assim,viveria meus próximos 53 anos encarcerada e prisioneira de mim mesma, retirando toda minha chance de melhoria e aprendizado.

Precisamos instalar em nós, um depurador que nos permita uma maior flexibilidade de mudanças, alteraçoes e melhoria...

Porque insistimos, sempre nisso, tirando nossa chance de viver em paz e de bem conosco mesmo?

Vamos refletir, em quanto tempo temos pela frente, e o quanto podemos fazer por nós!


Fiquem com DEUS...

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Eu fico pensando...

Se minha cabeça explodisse,  criaria-se um universo paralelo. :p

São muitos, meus pensamentoss...

sábado, 26 de março de 2011

Eu fico pensando...


 Quanto tempo sem passar aqui, quantas novidades e acontecimentos neste espaço de tempo, que poderá ser curto para tanta coisa que tem acontecido,e poderá parecer longo pela minha ausência aqui. Essa é minha sensação,de tempo curto para algumas coisas e longo para outras. Mas como retroceder  para digitar o que passou, não vale a pena (por vááários motivos,) iniciarei de acontecimentos recentes minhas postagens.

 E eu fico pensando, onde estamos e o que estamos vivendo?

Que tipo de vivência estamos construindo, quais os preceitos que escolhemos para termos como norte? Depositamos amor no que fazemos, ou escolhemos fazer por simples e pura obrigação? E se escolhemos fazer e agir por obrigação, onde fica o amor que necessitamos depositar naquilo que fazemos? Porque nada que fazemos por obrigaçao pode ter amor. Este é meu mais puro pensamento.

E eu fico pensando...

Educamos nossos filhos por obrigaçao ou por amor?
 Sabendo ser, nossos filhos, nossos tutelados de DEUS, temos a obrigaçao de educar da melhor forma, com muito amor...Talvez essa seja a única obrigaçao vinculada ao amor.  
Mas o que é essa obrigaçao? É transformar nossos tutelados daquilo que queremos, para termos,como resultado, aquilo que achamos necessário? Ou é criar uma relaçao de aprendizado mútuo, em que saímos aprendendo,  reconhecendo nossas falhas e nos esforçando para melhorar, mudando o nosso comportamento e muita das vezes nossa forma de pensar, deixando de lado o orgulho de se sentir superior e deixando a vaidade que bloqueia qualquer tentativa de humildade diante de uma situaçao necessária de reconhecimento ao falhar?

Pois infelizmente, queremos educar e esquecemos de nos educar, queremos nossos filhos evangelizados, mas estamos longe de sermos evangelizados. E o pior, estamos longe deste esforço em aceitar aquilo que nao concordamos, sendo intolerantes, sendo arrogantes, sendo egoístas e covardes, passando adiante este comportamento contrário ao cristianismo.

Ora, se queremos evangelizar nossos tutelados, comecemos em nossos lares, olhando para dentro de nós mesmos e reconhecendo o quanto precisamos mudar. Reconhecendo nossos erros, falhas e nossas carencias de conhecimento doutrinários, será talvez, essa atitude o primeito exemplo a passar para nossos filhos. 

Agora, se pensamos que o mundo gira em torno de nós, que estamos certíssimos em frequentar a casa espírita 1 vez por semana , estamos certos em pagar a mensalidade em dia  que colabora com a pintura, e que estamos fazendo o melhor em não aceitar as mudanças que acontecem, agindo com arrogância, com boicotes, com convesas inúteis e ameaçadoras, o que somos nós?

Aí eu fico pensando... Somos realmente espíritas, ou queremos apenas que nossos filhos sejam?

Onde está o conhecimento doutrinário do amor,que tanto JESUS nos ensinou? Onde está a tolerância em aceitar as mudanças? Onde estão as grandes mudanças que precisamos fazer em nós mesmos para uma mudança universal? 

E o que gente?O que estamos passando para nossos filhos?

Estamos, com nosso péssimo exemplo, ajudando a contruir, seres como nós...

Se somos amorosos, criaremos seres amorosos, se formos arrogantes crescerão seres arrogantes como nós.

E precisamos sempre, lembrar, que somos a melhor referencia para nossos filhos. Somos o espelho do que deixaremos aqui.

Então, pensemos,em nossas atitudes, vamos refletir se estamos sendo cristãos se estamos sendo verdadeiros espíritas, ou se estamos apenas deixando que nossos filhos sejam evangelizados uma vez por semana, querendo impor,regras e condiçoes para casa espírita.

Uma coisa é certa, trabalhamos por amor e onde existe amor, não existe obrigaçao, porque somos movidos a vontade, somos movidos pela alegria de bem servir, somos movidos pela nossa fé e principalmente, somos movidos por amor...

E se nem Jesus Cristo,agradou a todos, que pretençao temos nós de fazer isso?

Precisamos evangelizar nossas crianças , nossos adolecentes e principalmete a nós mesmos.

Toda mudança gera uma outra mudança ainda mais forte, e sempre para melhor...Acreditemos nisso e confiemos na tarefa do bem, pois jamais caminhamos sozinhos....

Fiquem em PAZ!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Eu fico pensando...

Tenho sentido tanta necesssidade de blogar, acontece que minha vida anda tão atribulada me esgotando fisicamente, que, na hora do referido descanso e relaxamento, sou tomada pelo mau humor do marido e sou atingida por um certeiro cansaço.

Tentarei retornar amanhã, estou precisando falar/escrever/desabafar, e aqui é o melhor lugar...pois não precisamos alugar as pessoas queridas com os nossos nhenhenhes.